domingo, 26 de agosto de 2018

MÉDIUNS INICIANTES. A PRESSA DE INCORPORAR E SUAS CONSEQUENCIAS



Me deparei com esse excelente texto de Cristina Alves , doTemplo de Umbanda Ogum 7 Ondas e Cabocla Jupira, e agora repasso a todos...... leiam com muita atenção pois contem lições preciosas e fundamentais para todos médium iniciante.....boa leitura


 A pressa de Incorporar e suas consequências.

O tema que estarei abordando é uma das maiores dificuldades encontradas dentro dos terreiros, e muitas vezes não começa ali no iniciar dentro da gira, começou bem antes quando aquele médium ainda era um consulente. Muitas pessoas quando entram num terreiro, ficam encantadas, acham aquilo tudo muito magico, acham tudo lindo, e com o tempo começam a querer fazer parte daquilo tudo, não se contentam mais em ser apenas consulentes, sentem como um chamamento, mas tem um porém, qualquer dirigente no mínimo responsável sabe perfeitamente que o ingressar dentro de um terreiro é algo de suma responsabilidade, comprometimento e seriedade, ali não é um brinquedo de um parque de diversão onde a pessoa quer passar umas horas e brincar e quando cansar largar, e que essa empolgação pode ser algo passageiro. Quando  ocorre o despertar consciencial de uma pessoa não tem volta, é como uma casca de ovo que se quebra, aquela pessoa foi tocada pelo espiritual. Infelizmente algumas pessoas pensam apenas impulsivamente sobre o assunto, na euforia do momento, e querem que por que querem estar dentro da gira, é onde começa o primeiro sintoma da tal complicada pressa.
Já na assistência, notamos mudanças com essa pessoa, a qual não pode sentir um arrepio se quer, que lá está ela passando mal, acreditem muitos casos “esse passar mal” é pura sugestão no intuito do guia chefe ou mesmo dirigente fazer o tal esperado convite  “… você quer entrar para a corrente…”uma coisa que é muito notado é que quando esse chamamento está ocorrendo de fato vindo pelo espiritual, o médium sente automaticamente o peso da responsabilidade, e ele teme, não corresponder, mas passando por esse estágio de descoberta, nesse momento começa a euforia, a empolgação, uma ansiedade enorme de criar borboletas no estomago, é gostoso de se ver, mas em alguns casos infelizmente para alguns médiuns não irá passar de uma chuva de verão.
Após entrar…
O Médium quando já do uso da sua roupa branca, ele começa a observar toda a rotina da casa, seus deveres e direitos, pela qual escolheu, quando da escolha de uma casa correta e bem dirigida, ele vai observar que existe toda uma disciplina na parte do desenvolvimento mediúnico, e ele começa a perceber algumas entrelinhas, dentre algumas, que não basta ele colocar branco, para “incorporar” acoplar espiritualmente com seu guia, que não é tão fácil assim, como ele havia pensado.
Em outras situações ele se frustra porque percebe que alguns médiuns estão tendo mais facilidade de incorporar que ele. Ele por sua vez começa a ouvir conversas nos bastidores, “… há levei no máximo 3 giras para incorporar com meu preto velho, eu levei também coisa de dias…”, e ele já está no terreiro já algum tempo, e só sente vibrações. E ali começa a se comparar, se achando o pior dos piores dentro da corrente. ISSO NÃO PODE ACONTECER.
O trabalho mediúnico e espiritual na Umbanda não se limita a apenas a incorporar um guia.
Logo após essas observações, lá vem a tão famigeradaPRESSA, e com ela a FRUSTRAÇÃO, o médium começa a perceber, que não era tão simples assim,  e começa a questionar, porque eu não consigo incorporar?
O médium iniciante, primeiramente ele tem que ser o máximo verdadeiro e sincero possível, precisa confiar no seu dirigente, nos guias chefes do terreiro, os quais estarão ali para assessorar no que for possível, precisa haver sempre uma conversa franca, consciente, onde o médium tem que ter o espaço para falar de suas sensações e medos para que as mesmas sejam explicadas e orientadas. O médium quando do processo de acoplamento espiritual, tem que haver uma entrega, uma confiança para aquele guia que quer se manifestar, o médium ele deve entender que ele é um instrumento, e confiar na direção dos guias chefes da casa os quais estarão conduzindo bem de perto todo processo e caso ocorra algo errado estarão ali também para consertar e direcionar o que for preciso. Sem esse desprendimento, confiança, o médium não irá conseguir fazer a entrega necessária. O medo de errar, muitas vezes inibe a chance de acertar, então não tenham medo de errar, porque errando vocês estarão aprendendo. Evitem de falar sobre suas duvidas mediúnicas e espirituais com médiuns dentro do terreiro que lhes faltem a licença e conhecimento para isso. Uma má orientação pode ser devastadora na mente de um médium iniciante. Lembre-se CONFIANÇA, faltou a mesma, talvez a casa e o dirigente não sejam para você. Infelizmente é bem assim.
Pois é pessoal, primeiramente devemos frisar que dentro de uma casa espiritual, o carro chefe são os médiuns de incorporação, mas a grande questão é que há outros dons mediúnicos, que muitas vezes vem agregados com o de incorporação mas isso não é uma regra, alguns médiuns NUNCAincorporação nas suas vidas, muitos serão auditivos, videntes, clarividentes, olfativos, dons esses extremamente necessários dentro de uma casa espiritual, mas não serão de incorporação.
Quando o médium por ventura descobre sobre esse fato, ele fica meio que perturbado, ele queria muito aquilo, muitas vezes até por falta de orientação, fica decepcionado porque ele acha dentro da sua cabeça, que teria importância apenas se fosse de incorporação, e isso não é verdade. O que seria de nossos terreiros se não fosse nossos amados  CAMBONOS, médiuns extremamente necessários, braços direito e esquerdo de qualquer dirigente e guia chefe de um terreiro, vejam bem estou falando de cambonos que realmente nunca irão incorporar, mas que são colunas energéticas essenciais dentro de qualquer casa. Mas muitas vezes o médium simplesmente não quer entender, acaba irritado e por ventura sai daquela casa que o acompanhou e pensa “… essa casa é que não prestava…”, interessante, mas há controversas, muitas vezes esse médium vai para outra casa, pode ocorrer que na outra realmente faltou algo a mais, ou simplesmente não era o lugar dele, pode acontecer é claro, mas muitas vezes ele pode  ter a infelicidade de cair na mão de um péssimo dirigente, onde por ele será  orientado de erradas formas e por ventura, ele irá começar a se auto sugestionar. Vou dar um exemplo:
A pressa muitas vezes, não é só oriunda da expectativa de um médium, muitas vezes ela vem pela mão do próprio dirigente o qual deveria combatê-la, daqueles que ficam rodando… rodando.. rodando.. sem parar seus médiuns, tipo pião, ou vai ou racha, o cidadão pensa “… vou colocar um guia nesse menino seja por bem ou por mal…”, e como isso judia, só quem já passou, ou viu de perto sabe como é danoso esses extremos. Muitas vezes o médium, por não querer mais passar por aquilo, muitas vezes ele se auto sugestiona, infelizmente finge estar com o guia, para que aquele sofrimento acabe, médiuns assim ficam extremamente anímicos, uns realmente acreditam estar incorporados, outros por outro lado, não sentem nada de irradiação e fluidificação espiritual e fingem, mistificação, esse é um dos piores erros que um médium pode cometer. E deixo uma questão no ar, e você dirigente quer médiuns sugestionados ou realmente acoplados com seus guias?
 frisando que a técnica de girar o médium bem conduzida é muito pertinente em alguns casos, mas frisando quando bem conduzida, e não fazendo do médium um pião desgovernado.
Um médium sugestionado, é visível que a algo errado com ele, as pessoas começam a notar que está ali o médium e não o guia, na realidade ele acaba passando por algumas situações onde ele mesmo se perde. Um médium nesse ponto, deve ser muito bem orientado, direcionado, doutrinado, muitas vezes quando vindo de maus costumes de outras casas deverá recomeçar pelo seu próprio bem. Muitos médiuns quando só fluidificados pelo guia já acham que estão incorporados e acabam que acelerando o processo de incorporação, deixando o guia em segundo plano.
Médiuns aprendam uma coisa, não existe comparação de um médium para com o outro, cada médium traz consigo sua trajetória, sua missão, é totalmente equivocado e errado se auto comparar com a trajetória de um outro médium. Os médiuns dentro do terreiro são peças únicas, com vivências e trajetórias próprias.
Cada médium tem seu tempo para realizar seu acoplamento espiritual, há médiuns que levaram dias, outros meses, e outros anos.
Sabe aquele ditado que diz: “… a pressa é a inimiga da perfeição…”
O que adianta ter pressa, dar ali um estremecimento com o corpo em segundos, se o guia ainda tá mais de 4 metros de distância (só um comparativo do que acontece) e o médium já está no terreiro incorporado,  todo mundo olha e vê ali o médium e não o guia, não tem a autenticidade a veracidade do guia. Tem médiuns que incorporam rápido, sim claro, mas você sente o guia ali, eu conheci um médium que incorporava muito rápido, mas em segundos ele se transformava a olhos vistos, você via ali a presença autentica do guia.
Não importa a forma e sim o conteúdo dessa manifestação, cada médium tem uma forma especifica de realizar o acoplamento, o importante é que ali esteja o guia e não o médium. Uma das primeiras lições que tive é que INCORPORAÇÃO, é o médium deixar de ser ele mesmo, ele cede o papel principal para seu guia, sua entidade. Quando o médium sente mais ele que o guia tem algo errado.  E vejam bem, isso não tem nada haver com mediunidade consciente, semi-inconsciente, ou inconsciente. Porque já conheci médiuns conscientes excelentes, e por outro lado médiuns que se diziam inconscientes mistificadores natos. Trágico.
Ai pergunto, o que vale incorporar com tanta pressa, se aquela incorporação não passa confiança, seriedade e autenticidade.
Uma outra questão, muito falada de forma errada, muitas pessoas falam para o médium se ele não incorporar rápido, o guia vai abandonar o médium. Pessoal, a ligação é de lá de cima para baixo, o guia conseguirá incorporar quando esse médium estiver seguro e preparado para isso. Agora vejam bem, se o médium fica sendo pressionado, coagido, se é imposto medo a ele, ELE NUNCA VAI CONSEGUIR INCORPORAR NADA, A NÃO SER ELE MESMO dependendo da forçação de barra diga-se de passagem. E infelizmente essa falta de conhecimento está vindo de dirigentes, não somente dos médiuns.
GUIA NÃO ABANDONA MÉDIUM E PONTO FINAL. Um guia tem uma missão especifica com cada pupilo, ele independente da dificuldade de um médium X, ele jamais irá abandoná-lo por outro, porque ele como guia tem outros médiuns em vários estágios de desenvolvimento, ele é o professor o médium seu aluno. Então não existe essa pressão psicológica de dizer, “… se você ficar bloqueando seu guia, ele vai te largar…”, pura falta de conhecimento. A única coisa que provoca um afastamento de um guia, e a falta de compostura, índole, seriedade, caridade e bondade de seu médium, um guia idôneo não se compraz no mal e nem na maldade, questão de sintonia, mas caso esse médium se volte a luz novamente eles estarão ali para o receber, mas mesmo assim sempre mandaram sinais para que ele retome ao bom caminho. Mas jamais irá se afastar de seu médium num processo de aprendizagem e despertar consciencial.
Uma questão referente a incorporação que muitas vezes passa desapercebida, é que tem casos que o médium irá sentir o fluido da energia do guia, ao ponto de causar efeitos em sua matéria mas que nunca irá chegar em uma incorporação plena, o médium ele como um catalizador, ele absorve aquela energia para depois doar a quem está em volta. Um outro caso que pode ocorrer é que um médium ele pode ser instrumento de um guia, no caso de um acoplamento espiritual, uma única vez na vida por um determinado propósito e nunca mais incorporar com um guia, muitas vezes esse tipo de trabalho espiritual e incorporação é possível porque o médium se encontra a sua volta com outros médiuns e guias, o qual o magnetismo espiritual desses médiuns e guias faz com que ocorra a manifestação.
O desenvolvimento espiritual, digo desenvolvimento por ser uma forma de melhor entendimento e que já virou que costume o uso do termo, mediunidade não se desenvolve ela se desperta, é o despertar consciencial do médium, é algo muito complexo, sério, deve ser feito com muita responsabilidade, e JAMAIS COM PRESSA.
A gente vê certas falhas muito complexas dentro de um terreiro, de um lado médiuns afoitos, apressados e ansiosos, de outro dirigentes os quais parece que acham que ver seus médiuns incorporados ali é questão de status e ibope a sua casa, não priorizando a qualidade mediúnica necessária para um bom atendimento espiritual, ali exposta, está se perdendo o comprometimento e seriedade que esse despertar exige, isso não é brincadeira, não é uma pista de corrida, que quem ganha é quem incorpora primeiro, ou diria mais rápido, estão brincando de serem médiuns. O lidar com a espiritualidade exige-se respeito, ela é tudo menos uma brincadeira.
Uma das grandes dificuldades tanto dos dirigentes quando dos próprios guias e mentores é lidar com a teimosia de médiuns que não sabem ouvir, e aplicar determinadas orientações, tudo tem que ser no tempo deles e não é assim, a ligação é de lá de cima para baixo, não tem como mudar isso e caso a pressa e a teimosia insistam, fatalmente nos deparamos com médiuns literalmente na mão,  o tal  “borococho” o guia tá ali léguas de distância e o médium se passando por ele. E sabe o que é mais triste? é quando esse médium faz um papelão dentro do terreiro, mesmo depois de ser orientado, ele insiste em brincar de dar espírito. Fatalmente esse médium fica desacreditado e envergonhado.
Alguns médiuns deveriam aprender o valor do silêncio, e ficarem com suas boquinhas fechadas de quando não saberem das minucias sobre um determinado assunto, principalmente no que condiz a ESPIRITUALIDADE E MEDIUNIDADE se limitarem a aprenderem e não quererem ensinar o que não sabem nem para eles.
Cansei de ver médiuns, debochando de outros porque eles“supostamente” estavam incorporando, enquanto o irmão do lado só estava na fase do bambear. Só que lhes afirmo, vi muito médium que ninguém dava nada por ele, se manifestarem com guias e mentores com uma sabedoria milenar, é o tal julgar o conteúdo pelo frasco.
Médiuns determinadas orientações devem ser dadas por aqueles que tem competência para isso, cuidado, uma má orientação pode fazer com que se perca um médium promissor, que teria muito a oferecer, mas que por frustração ou por não se achar capaz, achou melhor abandonar tudo. Olha a responsabilidade e o peso de desviar um médium do seu caminho.
Tenham pressa na vontade de aprender, de colaborar com a casa, de ouvir. Pressa de incorporar é bobagem não importa se a sua primeira manifestação irá vir quando você menos esperar depois de anos, o que importa que aquela INCORPORAÇÃO SEJA VERDADEIRA.
E tomem muito cuidado com a fantasia, muitos de nossos guias, mentores e entidades foram pessoas simples e humildes, cuidado com essa onda de realeza, tem muito rei que não precisa de coroa e muito plebeu exigindo a mesma. Lembrem-se estamos falando de guias sérios de entidades espirituais comprometidas com a verdade. Certas realezas por mais que eles tem, não necessariamente são exploradas ou mostradas.
Espero que com essas orientações, abra reflexões a respeito, para que sejamos os médiuns necessários que nossos guias esperam de nós.
Que Oxossi nos traga sabedoria. 29 de outubro de 2015

Cristina Alves
Templo de Umbanda Ogum 7 Ondas e Cabocla Jupira

FONTE:  https://orixaessenciadivina.wordpress.com/2015/10/29/a-pressa-de-incorporar-e-suas-consequencias/

MUDAR OS CONCEITOS

0s guardiões do terreiro, Entidades de segurança nos Templos de Umbanda
____Temos que começar a mudar nossos conceitos de Exú e Pomba Gira. Vamos a partir de agora ver o Exú e a Pomba Gira como aquela polícia que guarda e toma conta das ruas obedecendo sempre uma hierarquia de comando, que é o Exú chefe do Terreiro, e acima dele os guias chefes da Casa. Podemos também ver os Exús como aqueles lixeiros alegres que passam pelas ruas recolhendo toda a “sujeira”. Vêm com brincadeiras e algazarras, mas fazem um trabalho enorme em benefício da sociedade, que diga-se de passagem é muito pouco reconhecido.E as Pomba-giras seriam as “margaridas” mulheres que trabalham também na limpeza de nossas ruas e nossa cidade, exercendo a sua profissão com presteza e determinação.Assim como devemos ter um conceito mais respeitoso do Exú, devemos também dedicar mais respeito aos trabalhos das Pombas Giras, deixando de encará-las como mulheres vulgares e da vida, que só vêm “para arranjar casamento” ou o que é pior, para desfazer casamentos... Isto é uma coisa absurda e vulgar... O trabalho da Pomba Gira é sério. É também um trabalho de descarrego, de limpeza, de união entre as pessoas.De abertura dos caminhos da vida, seja do ponto de vista material, mental ou espiritual.
____O que é esse lixo?
  • Nossos pensamentos negativos.
  • Nossa sociedade desigual, perversa e preconceituosa.
  • Nossas ações.
  • Nossas emoções negativa se sobrepondo a nossa capacidade de amar.
____Por isso devemos respeitar ao máximo o trabalho dos Exús, levando-os a sério e não os desrespeitando e nem os menosprezando.
____Sabendo que a religião_de_Umbanda, segundo o Caboclo das Sete Encruzilhadas é “A manifestação do espírito para a prática da caridade”, qual a principal função desempenhada pelos Exús nos nossos Templos, Terreiros, Casas ou Centros?
____Na Umbanda o Exú é uma Entidade (alma) que cuida da Segurança da casa e de seus médiuns. Todas as religiões tem entidades que cumprem esse papel.Um bom exemplo disso são as comunicações recebidas por Chico_Xavier e Divaldo Franco mostram a existência desses espíritos trabalhando também no Plano Astral *.
____A reunião de Exú ou Gira de Exu tem como finalidade descarregar os médiuns e os consulentes. Unindo suas energias eles são capazes de entrar em contato e orientar mais facilmente com almas que ainda não encontraram um caminho. Estas almas vivem entre os encarnados, prejudicando-os, obsidiando-os e até mesmo trazendo-lhes um desequilíbrio tão grande que são considerados loucos. Para este trabalho eles necessitam muito de nosso equilíbrio e de nossa energia. Nosso equilíbrio é utilizado por eles no momento em que as entidades sofredoras se manifestarem com ódio, rancor, raiva, para que tenhamos bons pensamentos e sentirmos verdadeiro amor e harmonia para que desta maneira as desarmemos e não as deixemos tomar conta da situação e, quem sabe, até as persuadir a mudarem de caminho libertando-se assim do encarnado ao qual está ligada; nossa energia é utilizada em casos em que estas almas estão sofrendo com o desencarne, tristes, com dores, humilhadas, desorientadas, assim eles transformam as nossas energias em fluidos balsâmicos que as ajudam, em muito, na sua recuperação.Muitas destas almas desorientadas não conseguem nem se aproximar dos Terreiros de Umbanda pois os Exús da Tronqueira ficam encarregados de fazerem uma triagem liberando a passagem apenas das almas que eles percebem já estarem prontas para o socorro **, ou seja, prontas para seguirem um novo caminho longe do encarnado ao qual estava apegada. Este trabalho_de_separação é feito por eles com muito empenho e seriedade e será muito melhor sucedido se o encarnado der continuidade ao mesmo, quando menos melhorando os seus pensamentos e se livrando da negatividade e do medo.Os Exús são almas que riem, fazem troça, mas não brincam em serviço. Por este motivo, gostaríamos que os médiuns tivessem por eles o maior respeito e consideração, pois são eles são os nossos guardiões e da Gira, reponsabilizando-se pela limpeza dos fluidos ou energias mais pesadas. Cada pessoa que entra em uma casa de Umbanda traz consigo seu saco de lixo cheio (são seus pensamentos, suas raivas, suas desilusões...) e são os Exús os trabalhadores encarregados de juntarem todos estes sacos para descarregar, dando a cada um de nós a oportunidade de diminuirmos o nosso lixo e facilitando nossas próximas limpezas.Cada vitória nossa é para estas Almas trabalhadoras um passo no caminho do desenvolvimento.
____A saudação aos Exus: A saudação ao Exú é LARÓYÈ = salve, que também quer dizer salve compadre, boa noite “moça”. Exú é MOJUBÁ - Moju (Viver a noite) Bá (armar emboscadas) ou seja “armar emboscadas vivendo a noite”. Mas na Umbanda o trabalho dos Exús é o de guardião.Assim ao cumprimenta-lo estamos dizendo: Salve aquele que vive à noite e que arma emboscadas. Assim estamos reconhecendo seu poder e ao mesmo tempo estamos pedindo “ Àquele que vive anoite, que nos livre das emboscadas”.
____Transcreveremos abaixo, parte da entrevista gravada com o Sr. Zélio Fernandino de Morais no dia 22 de outubro de 1970, que faz algumas referências aos Exus. Fita de Nº 50 da Biblioteca da Casa Branca de Oxalá. Gravação feita com a voz de Zélio de Moraes, quem anunciou a Umbanda (Caso haja interesse em aprofundar neste assunto, escreva paravianasolano@uol.com.br)
  • Pergunta: Sr. Zélio, é sobre o trabalho dos Exús. Existem tendas que dão consultas com Exús em dias especiais além das consultas normais de Pretos Velhos e Caboclos. Como o Sr. vê isso?
    Zélio: Eu sei disto, que há muitas tendas que trabalham com Exús, eu não gosto porque é muito fácil se manifestar com Exú, qualquer pessoa médium, um mal médium se manifesta com Exú, basta ter um espírito atrasado; ou também fingindo um espírito, por isso não gosto e fujo disto, na minha tenda não se trabalha com Exú por qualquer motivo. 
    (Nesta pergunta, quando o Sr. Zélio diz “na minha tenda não se trabalha com Exú por qualquer motivo”, pode-se notar então que o trabalho do Exú é um trabalho “especial” e que não está aí para ser mistificado, por isso deve-se ter respeito e preservá-lo.)
  • Pergunta: Mas o Sr. não considera o Exú um espírito trabalhador como todos os outros Orixás?
    Zélio: Depois de despertado, porque o Exú é um espírito admitido nas trevas, depois de despertado, que ele dá um passo no caminho da regeneração é fácil ele trabalhar em benefício dos outros. Assim eu acredito no trabalho do Exú.
    (Nesta pergunta, quando o Sr. Zélio diz “depois de despertado, que ele dá um passo no caminho da regeneração é fácil ele trabalhar em benefício dos outros”, pode-se notar que estas almas pretendem um local melhor, pretendem uma posição melhor e para isto escolheram o trabalho da caridade nas casas de Umbanda.)
     
  • Pergunta: Não haverá casos em que outros Orixás vibrando em outras linhas não possam resolver de imediato alguns problemas de filhos e, não seria o Exú aí o mais indicado para resolver, por estar mais perto materialmente, por estar mais aceito nos trabalhos materiais?
    Zélio: O nosso chefe, “o Caboclo das Sete Encruzilhadas” nos ensinou assim, isto faz 60 anos, que o Exú é um trabalhador. Como na polícia tem soldado, o chefe de polícia não prende, o delegado não prende, quem prende são os soldados, cumprem ordens dos maiorais, então o Exú é um espírito que se encosta na falange, que aproveita para fazer o bem, porque cada passo para o bem que eles fazem vai aumentando a sua luz, de maneira, que é despertado e vai trabalhar, que dizer, vai pegar, vai seduzir este espírito que está obsedando alguém, então este Exú vai evoluir. É assim que o Caboclo das Sete Encruzilhadas nos ensinava.
  • Pergunta: De que modo o Exú é um auxiliar e não um empregado do Orixá ou vice-versa?
    Zélio: Eu não digo empregado, mas é um espírito que tende a melhorar, então para ele melhorar ele vai fazer a caridade junto com as falanges, correndo em benefício daqueles que estão obsidiados, despertando e ajudando a despertar o espírito para afasta-lo do mal que ele estava fazendo, então ele se torna um auxiliar dos Orixás. 

    ____(Nestas duas perguntas ele deixa claro que os Exús são a polícia espiritual das casas de Umbanda e que trabalham ligados às falanges das Sete Linhas de Umbanda que trabalham nos Templos. Por este motivo é que a presidência da Casa Branca de Oxalá e a sua Chefia Espiritual selecionam os médiuns que vão fazer a Obrigação de Exú. É um cuidado e um respeito tanto com eles como com os médiuns).
____Cada médium que passa por esta Obrigação vai colaborar com eles acrescentando energia e equilíbrio ao trabalho que eles executam. É por este motivo que tantas vezes é falado que devemos ter cuidado com nossos pensamentos e pedidos, pois eles são energias. Os Exús precisam das nossas energias positivas para que possam desempenhar melhor o seu trabalho.
____Nota: Os médiuns que vão fazer a obrigação de Exú devem permanecer em estado de seriedade, afastando-se de bebidas, festas, que neste caso exercem uma atração para as almas desorientadas. A função da obrigação de Exú é basicamente para fazer com que o Exú assuma no campo a função principal de guardião do médium, desde que este se comporte a altura de sua amizade e respeito.
____Bebidas:Gostam muito de bebidas voláteis e o aguardente está entre elas ao qual dão o nome de malafo ou marafo, conhaque, cerveja e outras bebidas fortes. As Pomba-giras gostam de anis e champanhe. Não há necessidade de o médium ingerir a bebida, pois a mesma pode ficar num copo e o Exú ou Pomba-gira trabalhar com a sua energia utilizando o conteúdo astral da bebida.
____Comidas: Os Exús e Pomba Gira gostam de farofa, dendê, cebola, pimenta, limão, semente de mamona, e as Pombas Giras de enfeites e adornos, sem contar que gostam muito se suas oferendas enfeitadas com Rosas Vermelhas.
____Alguns Nomes de Pomba Gira:Pomba Gira do Cruzeiro, do Cais, da Calunga, do Cemitério, Padilha, Mulambo, Cigana, Ciganinha, da Calunga, Maria Bonita, Rosa Maria, Maria Rosa, Maria Rita, Rosa vermelha, Rosa do cruzeiro, Sete Véus, Sete cravos, da Encruza..
____Alguns Nomes de Exú:Sete Encruzilhadas, Veludo, Caveira, Tranca Ruas, Caveirinha, Exú Campina, Exú do Cruzeiro, Calunga, do Lodo, Lalu, da Madrugada, da Meia Noite, Mangueira, Mulambo, Mulambinho, Malandro, Malandrinho, Gira Mundo, Tiriri, Marabô, Sete Capas, Cadeado, dos Rios, da Cachoeira, dos Ventos, da Praia, Quebra Galho, Sete Covas, Sete Catacumbas, Sete Luas, Sete Sombras, Três Punhais, Três Cruzes, Sete Chaves, Tranca Tudo, Tira Teima, Zé Pilintra e muitos outros.
____Hierarquia dos Exús: Os Exús e Pomba-giras prestam obediência ao Chefe da Casa. No caso da Casa Branca é o Exú das Sete encruzilhadas.

____Exú Tronqueira: Não confundir o trabalho do Exú guardião com o trabalho do EXÚ TRONQUEIRA. O Exú Tronqueira é aquele que guarda o Terreiro e passa por uma triagem às pessoas que entram no Terreiro. Por isso a sua casa é colocada junto à porta de entrada e é a primeira a ser saudada. Todos devemos ter o máximo de respeito do Exú Tronqueira, pois se uma Gira corre bem e firme devemos agradecer principalmente a ele.

Fonte:http://www.guia.heu.nom.br/exu_e_pombas_giras.htm

Os nomes de Exu na UMBANDA


Os nomes de Exu na UMBANDA


Existe uma “Ciência Divina” que permeia a religião de Umbanda, por meio da qual é possivel fazer uma correta interpretação dos nomes de nossos Exus. Esta ciência vem sendo revelada por meio da obra de Rubens Saraceni.
Existe uma grande curiosidade sobre a força e regência na qual nossos Exus trabalham, pois todos estão atuando no campo de um ou mais Orixás. É importante dizer que não importa qual é o Orixá do médium, seu Caboclo ou sua hora de nascimento; estas informações podem ajudar, mas não são determinantes para identificar com qual exu este médium trabalha.
Para preparar este material abaixo, foram consultados os livros: ” Livro de Exu”, ” Orixá Exu”, “Sete linhas de Umbanda”, “Umbanda Sagrada”, “Rituais Umbandistas”, “Lendas da Criação”, “Tratado Geral de Umbanda”, “Código de Umbanda”, “Doutrina e Teologia de Umbanda”, “Fundamentos Doutrinários de Umbanda” e “Guardião da Meia Noite”.

Todos estes livros são de autoria de Rubens Saraceni, publicados pela Editora Madras.
Para interpretar os nomes, precisamos da chave interpretativa, que é a correta relação entre os elementos dos nomes e seus orixás correspondentes.
Por exemplo, se montanhas são de Xangô, Exu Montanha é de Xangô e Exu Sete Montanhas é de Xangô trabalhando nas Sete Vibrações/ Linhas de Umbanda.
Também é preciso conhecer os fatores, verbos e ações relacionados aos Orixás, como por exemplo: cortar, arrancar, romper, abrir, trancar, girar, virar. Desta forma identificamos, por exemplo, a quem pertence o fator “abrir”, Ogum, que dá origem ás linhagens de Abre Caminho (Ogum/Ogum), Abre Rio (Ogum/Oxum), Abre Matas (Ogum/Oxóssi), Abre Tudo (Ogum/Oxalá), Abre Cemitério (Ogum/Obaluaê). com identificação do elemento principal, como “pedra” (Oxum) ou “pedreira” (Iansã), vamos localizando o campo de atuação: Pedra Preta (Oxum/Omulu), Pedra de Fogo (Oxum/Xangô) e Pedreira das Almas (Iansã/Obaluaê), Pedreira de Ferro (Iansã/Ogum), Pedreira de Ouro (Iansã/Oxum).
Por mais que se conheça a chave de um nome, é muito comum a entidade não revelar seu nome por inteiro.
Posso saber que trabalho com Exu Tranca Ruas, um Exu de Ogum, no entanto, ele pode ser Tranca Ruas das Matas, logo vai voltar-se a Oxóssi, e eu fico sem entender, afinal ele é um Exu de Ogum atuando nos campos de Oxóssi.
Todos temos um Exu de Trabalho na força de nosso Orixá Juntó, um Exu Guardião na força de nosso Orixá Ancestral e um Exu Natural na Força de nosso Orixá de Frente.
Ainda assim não é suficiente para identificar o nome de nosso Exu. Sua correta revelação dever ser feita de forma mediúnica, para depois, então, ser interpretado.
Este estudo e conteúdo faz parte dos cursos de Doutrina, Teologia e Sacerdócio de Umbanda Sagrada. Boa Leitura e bons estudos. Esta lista não deve ser veiculada sem a introdução, ou fontes de origem e citação:
A
Abre (caminho, rio, mar, mata, tudo…) – Ogum
Águia Negra – Ogum
Almas, das – Obaluaê
Âncoras – Iemanjá, Ogum e Omulu.
Ar, do – Iansã
Aranha – Iansã
Arranca (toco, tudo, rua, mar, almas) – Ogum
Arrebenta – Ogum
B
Bará – Oxalá
Brasa – Xangô e Ogum
Buraco, do – Omulu
C
Cachoeira, da – Oxum
Cabaça – Nanã
Cabeça – Oxalá
Cadeado – Ogum e Xangô
Caldeira – Xangô
Calunga – Obaluaê
Caminho, do – Ogum
Campa – Omulu
Campina – Iansã
Capa (preta, das almas, encruzilhada…) – Oxalá, Logunan
Capela – Logunan
Carranca – Ogum e Oxalá
Casco – Ogum
Catacumba – Omulu
Caveira – Omulu
Cemitério – Obaluaê
Chave – Oxalá
Chicote – Iansã
Chifre – Iansã
Cipó – Oxóssi
Cobra –Oxóssi
Corisco – Iansã
Coroa –Oxalá
Corrente –Ogum e Oxum
Corta (fogo, vento, rua) – Ogum
Cova – Omulu
Cravo (preto,vermelho…) – Oxóssi
Cruz – Obaluaê
Cruzeiro – Obaluaê
Curador – Obaluaê
E
Encruzilhada – Oxalá, Ogum e Obaluaê
Escudo – Ogum
Espada – Ogum
Estrada – Ogum
Estrela – Oxalá
F
Faísca – Iansã
Fagulha – Egunitá, Iansã, Xangô
Fechadura – Nanã
Ferro, do – Ogum
Ferrolho – Ogum e Oxum
Ferrabrás – Xangô
Ferradura – Ogum
Figueira –Oxóssi
Fogueira – Egunitá
Fogo – Xangô
Folha – Oxóssi
G
Galhada – Oxóssi
Ganga – Oxalá
Garra – Oxóssi
Gargalhada – Oxumaré
Gato (preto,Omulu) – Oxóssi
Gira (mundo, fogo, tudo…) – Logunan, Iansã
Gruta – Oxum
Guiné – Oxóssi
H
Hora Grande – Oxalá e Logunan
L
Labareda – Egunitá
Laço – Logunan
Lama – Nanã
Lança – Ogum
Lonan – Ogum
Lucifer – Oxalá
Lodo – Nanã
M
Maioral – Oxalá
Mangueira – Oxóssi e Iansã
Marabô – Oxóssi
Matas – Oxóssi
Meia- Noite – Omulu
Montanha – Xangô
Morcego – Omulu
Morte – Omulu
Mulambo – Omulu
Mar – Iemanjá
O
Ondas – Iemanjá, Iansã, Oxumaré
Ouro – Oxum
P
Pantanal – Oxóssi
Pantera Negra – Oxóssi
Pedra (preta, do fogo…) – Oxum
Pemba – Oxalá
Pena preta – Oxóssi e Omulu
Pimenta – Oxóssi e Omulu
Pinga Fogo – Iemanjá e Xangô
Pirata – Iemanjá
Pó, do – Omulu
Poeira – Omulu e Iansã
Porta – Obaluaê
Porteira – Obaluaê
Prego – Ogum
Punhais – Iansã e Ogum
Q
Quebra(Galho, tudo, porta…) – Ogum
Quedas – Oxum
R
Raios – Iansã
Raiz – Oxóssi e Obá
Rei – Oxalá
Relâmpagos – Iansã e Xangô
Rompe (rua, matas, almas, ferro…) – Ogum
Ruas – Ogum
S
Serra Negra – Logunan, Xangô
Sombras – Oxalá
T
Tatá – Obaluaê
Tatá Caveira – Omulu e Obaluaê
Terra (preta, vermelha, seca…) – Omulu e Obá
Tira Gira, Teima, Toco – Iemanjá
Toco (preto) – Oxóssi
Tranca (ruas, cruzes, matas, gira, tudo, cruzeiro…) – Ogum
Treme Terra – Obá e Omulu
Trinca (Ferro) – Omulu
Tronco – Oxóssi
Trovão – Xangô
Tumba – Omulu
V
Veludo – Oxum
Vento –Iansã
Ventania – Iansã
Vira (mundo, tudo, vento, folha, mata, mar) – Logunan
Z
Zé Pelintra – é um mestre do catimbó que se manifesta na umbanda na força de Logunan, Oxalá e Ogum. Ainda assim há Zé Pelintra das matas, da cachoeira, do mar e etc.
ALGUNS NOMES DE EXUS –
Exu 7 Encruzilhadas;Exu 7 Cruzeiros;Exu 7 Cruzeiros das Almas;Exu 7 da Lira;Exu Tranca Ruas,
Exu Tranca Ruas das Almas,
Exu Tranca Ruas do
Embaé,
Exu Tranca Tudo;
Exu Destranca Ruas,
Exu Destranca Ruas das Almas;
Exú Tiriri,
Exu Tiriri Lanã,
Exu Tiriri das Almas;
Exu Zé Pelintra
Exú Veludo,
Exú da Meia Noite;
Exu Capa Preta,
Exu Capa Preta das Almas,
Exú Gira Mundo,
Exu Vira 
Mundo,Exú Mirim,
Exu Marabô,
Exu Marabá,
Exu Maré,
Exu Mangueira,
Exu Marinheiro,
Exu Morcego,Exu Pedra Negra,
Exu Pantera Negra,
Exu Serra Negra,
Exu Quebra Galho,
Exú dos Rios,
Exú dos Ventos,
Exú Lalú, etc…


Fonte:http://www.tucabocloubirajara.com/os-nomes-de-exu-na-umbanda-e-sua-interpretacao/

EXÚ

OS EXÚS, SEUS NOMES E SEUS SIGNIFICADOS OU REPRESENTAÇÃO


SETE LINHAS
EXÚ GUARDIÃO
SIGNIFICADO DO NOME
OXALÁ
SETE ENCRUZILHADAS
Representa os diversos caminhos abertos em nossas vidas; representa ainda o livre-arbítrio professado na religião de Umbanda e conseqüentemente nossa liberdade na escolha de nosso próprio caminho.
IEMANJÁ E NANÃ
MARABÔ
MA: Verdadeiramente 
RA: envolver 
ABÔ: proteção 
Aquele que envolveu perfeitamente com sua proteção ou Salve aquele cuja força protege
OMOLU
CAVEIRA
Representa nossa mais profunda transformação, aquela onde nossa parte material já se encontra em profunda degradação e, no entanto, nossa alma permanece em evolução.
OXOSSI E OSSÃE
SETE CAPAS
Representa o momento de transição final; é o Exú da hora da passagem; responsável pelo corte do cordão fluídico no momento final dos filhos de Umbanda.
XANGÔ E IANSÃ
TIRIRI
TI: com grande força 
RIRI: valor e mérito. 
Aquele que protege com grande força aos que tem valor e mérito.
OXUM
VELUDO
Representa a doçura, a delicadeza mas também a força, a resistência. Representa ainda a riqueza material e espiritual trazidas pela Linha à qual serve.
OGUM E IBEJI
TRANCA-RUAS
Representa um grande poder de defesa para aqueles que a ele se dirigem; defesa contra aqueles que nos desejam o mal, contra nós mesmos e contra aqueles pensamentos e ações que tendem a impedir nossa evolução.

       




Organograma do Reino dos Exus


Marabô - (Put Satanakia) - é determinado a esse Exú, a fiscalização do plano físico, distribuindo ordens aod seus comandados. Apresenta-se como um autêntico cavalheiro, dominando o francês, apreciando bebidas finas e os melhores charutos. Exú de gênio muito difícil, raramente apresenta-se em terreiros.(Ponto Riscado - Organograma)

Exú Mangueira - (Agalieraps) - Muito confundido com Marabô, salvo pelo fato de quando está sendo incorporado expele o cheiro forte de enxofre, também de gênio muito dificil, é necessário recorrer a Entidades Superiores para sua retirada.(Ponto Riscado - Organograma)

Exú Tranca-Ruas - (Tarchimache) - grandioso Exú. Todo terreiro deverá solicitar seus valorosos trabalhos antes de começar as seções. Sendo solicitado, guardará as porteiras dos terreiros com sua falange, contra os Quiumbas (Espíritos Obcesores). Guardião dos recintos onde se pretica a Alta Magia, como na Umbanda. Devemos saudar a este Grande Exú. É conhecido também como tranca Rua das Almas e Tranca Ruas de Embaé. (Ponto Riscado - Organograma)

Exú Tiriri - (Fleruty) - de grande força para despachar trabalhos nas encruzilhadas, matas, rios, apresentando-se como um homem preto com deformação facial. (Ponto Riscado - Organograma)

Exú Veludo - (Sagathana) - bastante evocado na Quimbanda, principalmente na Magia Negra, atendendo com rapidez a quem recorre a sua proteção. Apresenta-se como um fino cavalheiro muito bem vestido, curiando bons conhaques e fumando bons charutos. sua presença é facilmente notada, pois possui "pés de cabra ", gostando de trabalhar com "as moças ".(Ponto Riscado - Organograma)

Exú dos Rios - (Nesbiros) - companheiro de Veludo, domina as margens dos rios e é confundido com um Caboclo de Penas, porém, usa vestimentas de penas negras e apresentando também, chifre. Comanda a Linha Mixta da Quimbanda.(Ponto Riscado - Organograma)

Exú Calunga - (Syrach) - comanda uma falange de 18 Exús, apresentando-se como um anão. Também chamado de Gnomo, Calunguinha, Duende ou Saci. Comanda mais quinze outros Exús, que são: Quebra-Galho, Pombo-Gira, Tranqueira, Sete Poeiras, Gira Mundo, Das Matas, Dos Cemitérios, Morcêgo, Sete Portas, Sombra, Tranca Tudo, Pera negra, Capa preta e Marabá. (Ponto Riscado - Organograma)

Exú Omulú - Meu Pai, Atotô, Meu Pai! No culto nagô é chamado de Abaluaiê ou Abaluaê. Senhor Supremo dos Cemitérios (Calunga menor), incumbido de zelar pelos mortos ali enterrados. Apresentando-se nos terreiros coberto por um lençol ou toalha branca, tendo que ser levantado por médium de muita firmeza. Comandando uma das mais poderosas Linhas da Quimbanda, a Linha das Almas. Senhor de um grande poder, comparado apenas ao Maioral, "Seo Lúcifer ". Quando solicitado, trabalha para minimizar o sofrimento dos filhos, recebendo obrigações, presentes e solicitações no cruzeiro do cemitério. possuindo dois grandes colaboradores, Exu Caveira e Exu da Meia-Noite.(Ponto Riscado - Organograma)
Oxalá Meu Pai
Tem pena de nós, tem dó
A volta do mundo é grande
Seu poder ainda é maior!
Atotô Meu Pai, Agô!

Exú Caveira - (Sergulath) - auxiliar direto de Exú Omulú, seu braço direito, é o guardião das porteiras dos cemitérios, onde devemos salvar seu Caveira. Transmite muito medo e respeito, nas seções e nas entregas. Apresenta-se com seu rosto na forma de uma caveira, não tendo hora certa para se apresentar, sendo por volta da meia-noite, o costumeiro. Lidera e tem sob seu comando sete Exús, a saber: Tata Caveira, Brasa, Pemba, Maré, Carangola, Arranca-Toco e Pagão. Além desses, comanda também Exú do Cheiro (Cheiroso) - (Aglasis) - que tem sob sua guarda outros quarenta e nove Exús. (Ponto Riscado) - Organograma)

Exú da Meia-Noite (Hael) - especialista nas forças ocultas, decifrador de quaisquer idiomas ou letras, apresenta-se de capa preta e seus inconfundíveis olhos de fogo e pés de cabra. Seu horário é a meia-noite daí seu nome, neste momento, não se encerram as seções nos terreiros, pois Hael está de ronda. Dizem que São Cipriano, aprendeu de Hael tudo qe sabia em relação a Alta Magia, (Livro da Capa Preta). Lidera também sete Exús: Mirim, Pimenta, Malé, Sete Montanhas, Ganga, Kaminaloá e Quirombô. Comanda ainda o Exú Curadô (Meramael). (Ponto Riscado - Organograma)




Fonte:http://templodeevora.blogspot.com/2012/09/os-exus-seus-nomes-e-seus-significados.html